"Não há nada que um dia de Bike não cure." Caia na Trilha

21.8.12

É comum sentir dormência ao pedalar?


É comum sentir dormência ao pedalar?

Ociclista, durante o pedal, já deve ter sentido dormência nas mãos, nos pés e até na região do períneo. É comum, porém, fora o desconforto que a sensação provoca, nenhum problema maior pode acontecer.
Segundo uma entrevista feita pelo Grupo de Bike com Ricardo Cury, ortopedista e professor do Grupo de Cirurgia do Joelho e Trauma Esportivo, toda vez que o ciclista tem dormência, ela tem relação com duas coisas, a parte neurológica ou a muscular.
A parestesia é o nome técnico da dormência, nada tem a ver com o cérebro, mas sim com os nervos. “Ela acontece quando um nervo é comprimido por posição inadequada, fazendo formigar a região que este nervo inerva”, esclarece Cury.

“Na maior parte das vezes, ciclistas são acometidos porque as mãos permanecem muito tempo firmes ao guidão e o corpo faz com que uma compressão elevada aconteça”, afirma pesquisa do Grupo de Estudo e Pesquisa em Ciclismo da Universidade Federal de Santa Maria (GEPEC).
Já “em relação à parte inferior do corpo, a sobrecarga nos nervos ocorre nas costas, que é o local de onde saem os nervos que vão para as pernas”, ressalta Cury. Isso acontece por causa da postura adotada em cima da bike; e, para evitá-la, basta levantar algumas vezes durante o pedal, aliviando o peso na região e descomprimindo os nervos.
Levantar da bike evita também o formigamento em outra região: o períneo. Um pouco mais preocupante que em outras partes do corpo. A dormência nesta região não é a causa de problemas sexuais, tanto para os homens quanto para as mulheres. O que acontece é que a pressão exercida pelo peso do corpo e o selim em um nervo localizado entre as pernas, assim como acontece com as mãos e as pernas, faz formigar o local.

Você sabe o que é Síndromes Compressiva ?
O formigamento, quando é frequente, merece atenção, pois pode ser efeito da Síndrome Compressiva, isto é, “a compressão natural dos nervos, quando o próprio corpo comprime os nervos”, de acordo com Ricardo Cury. E ela pode acontecer tanto por motivos congênitos ou ser desenvolvida, como acontece com a hipertrofia muscular.
Segundo o Dr. José Kawazoe Lazzoli, cardiologista e presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (SBME), a síndrome compressiva pode ser diagnosticada por meio de exame clínico e levantamento do histórico familiar do paciente, além da confirmação feita por imagens; e seu tratamento, com uma operação na qual se retira o tecido que comprime o nervo ou então com orientação quanto à técnica a ser utilizada nos movimentos realizados.

Como evitar
Se o ciclista não sofre de Síndrome Compressiva, pode facilitar a convivência com a parestesia tomando alguns cuidados que podem diminuir a ocorrência.
Como é recomendado pelo estudo do GEPEC, “quando iniciando um longo percurso, os ciclistas devem vestir luvas acolchoadas, mudar frequentemente as mãos de posição e estar seguros de que seu posicionamento não está fazendo com que seu peso corporal esteja demasiadamente posicionado à frente”.
Pedalar em pé e dar pequenas paradas durante o treino também é uma boa dica, além de sempre fazer alongamento, pois ele “age tirando as forças que comprimem o nervo”, explica o Dr. Cury.


Nenhum comentário:

Local de Encontro para Saída

Obs.:Praça próximo a subida do Colégio Jesus Cristo Rei

Inspiração

Create your own banner at mybannermaker.com!

Videos sobre o Assunto!!

Loading...